sexta-feira, 22 de maio de 2015

PM acusado de morte vai a júri
A 1ª Câmara Criminal do TJ confirmou a realização de júri popular na comarca de Imbituba para o julgamento do policial militar acusado de matar a namorada em 2013, após discussão conjugal. Ele responderá por homicídio qualificado por motivo fútil e meio que dificultou a defesa da vítima, além de ocultação de cadáver. A câmara, por unanimidade, acolheu recurso do Ministério Público que pediu a inclusão da qualificadora de utilização de meio cruel na prática do crime, e negou o pedido da defesa de revogação da prisão preventiva do acusado.
O crime aconteceu em 12 de abril de 2013, na residência do casal, em Imbituba, após ingerirem bebida alcoólica. Segundo a denúncia, durante a discussão o acusado utilizou uma tonfa – espécie de cassetete que tinha em seu poder por ser policial militar. Ao aplicar os golpes, provocou na mulher traumatismo craniano, que a levou à morte. Em seguida, recolheu objetos da casa sujos de sangue e, junto com o corpo da vítima, os levou à Lagoa do Timbé, onde ateou fogo. Ainda de acordo com a denúncia, passado algum tempo, como o corpo não se desintegrara totalmente, o acusado o enterrou nas dunas da praia e buscou auxílio de familiares para a fuga. Depois de pegar um ônibus para o Rio Grande do Sul, quase na fronteira com o Uruguai, foi preso e trazido para Santa Catarina.
Para justificar a revogação da prisão preventiva, a defesa alegou que o policial estava em tratamento. O pleito foi negado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário